"À parte disso, tenho em mim todos os sonhos do mundo."

sexta-feira, 28 de dezembro de 2012

Até já 2012!


No início de uma batalha contra uma gripe que tenta lançar a sua cavalaria contra mim, maaas...nada vai desanimar este gosto que tenho por fazer e desfazer malas :)
Aproxima-se uma (quase) semana de descanso e muito relax, bem merecidos verdade seja dita, aqui a pessoa vai dar início aos festejos de passagem de ano a partir de amanhã! Oh yeah! E só não comecei dia 1 de Dezembro porque parecia mal. Brincadeira. Amanhã rumo ao sul do país, sou a última pessoa do mundo a gostar do Algarve, mas convenceram-me a ir e o que importa é a companhia, certo? E nessa parte estou em modo 5*.
Amanhã começa cedo a tentativa de levar pouca coisa...hoje estou incapaz por culpa desta filha da mãe de gripe! Mas também, é para ir de carro, voltar de carro, logo malas a mais? Who cares? Nin-guém!

Vai ser bom ter estes dias de novos ares, de calma (espero), de pausa nos treinos, e nos dias acelerados...
E mais que isso, vai valer a pena :)

Por isso,
um volto já bem cheio dos melhores desejos de tudo para este 2013 que se aproxima (corro sérios riscos de não vir aqui antes de meter o pé direito no novo ano)

Quem passar o ano a assistir a casa dos segredos é ovo podre!!!


segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Feliz Natal!


Amanhã avizinha-se um dia daqueles muitooo compridos e longe vai o tempo que dormia a sesta na véspera de natal, para a minha mãe tratar de tudo sem eu andar a destruir, e para o pai natal chegar mais depressa... Ingenuidade de criança é sempre uma coisa fofinha!

Assim, um bocadinho adiantado, mas salvaguardando que estarei muito ocupada a fazer qualquer coisa útil cá em casa (a minha mãe é doutorada em delegar tarefas), este blog e esta pessoa aqui (que tem uns devaneios mentais muitoooo grandes) deseja a todos que aqui passam regularmente ou por simples engano um Feliz Natal! Que todos os ajuntamentos familiares sejam um grande conforto no vosso coração, e que exista sempre muita alegria!

Feliz Natal :)

Modo natalício ON!


sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Bienvenido Inverno!


Diz-se que é o fim do Mundo, mas até agora amanheceu e bem, com sol e sem nuvens.
E entramos no Inverno...

"Whatever tomorrow brings I'll be there, with open arms and open eyes"

...


quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Vale a pena...

Fernando já deixou de ouvir as palavras, não dorme, mas saiu dali a pensar. Tudo por causa de uma palavra. A palavra é "sinédoque" e a boca torce-se ao pronunciá-la. Fernando disse-a algumas vezes baixinho e pensa agora na definição, "Figura de estilo que consiste em tomar a parte pelo todo ou o todo pela parta; o género pela espécie ou a espécie pelo género, etc.". Diverte-o esta definição porque parece aplicar-se a todas as palavras. Depois pensa no et caetera e começa a esticá-lo, "Um verbo por uma vida, um gesto por um ser, palavras por um pensar". Na frase "O professor é monótono", Fernando encontra três sinédoques e uma tristeza muito grande.
        Fernando passou o resto do dia a encontrar sinédoques para onde quer que olhasse. "Como toda a gente", pensou. "A vida é dura", "Um homem não é de ferro", "Deus é grande". Mas há quem não tenha uma vida dura e seja de ferro e tenha um deus pequenino. É gente que testa a regra ou então que anda por aí calando e faz como vê fazer. Se um dia alguém se levantar no eléctrico e disser que é feliz, provavelmente será linchado, talvez até ignorado. Porque é que ninguém é feliz nos eléctricos?
        As pessoas gostam de usar palavras que não são de ninguém. Todos os dias há milhões de sentimentos, de desejos, de opiniões expressas com palavras forasteiras. Quantas vezes serão os sentimentos a adequar-se às palavras, e não o contrário? Seremos tão parecido que não precisemos de encontrar as palavras que nos sirvam?
        Os artistas têm muitos nomes para diferentes azuis, os esquimós têm muitas palavras para diferentes tipos de gelo. Os apaixonados deveriam ter também muitas palavras para "amor": o amor da manhã, o amor do fim, o amor do passado, o amor possível. Todos deveríamos ter diferentes palavras para "eu": o eu que eu sinto, o eu que tu vês, o eu que eu não sou.        A parte pelo todo ou o todo pela parte. Andamos nisso, a praticar sinédoques como se falássemos ou quiséssemos bem a alguém, tomando a parte pelo todo que não haveremos nunca de conhecer. Assim, conseguimos dormir muitas noites enquanto dizemos para dentro "está tudo bem, não penses mais nisso". Isso em que não pensamos é o resto do todo. São as horas que não vivemos, as palavras que não nos são ditas, as espinhas que pomos de lado tão gulosos da carne. Ninguém apanharia um eléctrico sem sinédoques, ninguém é tão forte.
Nuno Camarneiro em "No Meu Peito Não Cabem Pássaros

Só para partilhar :)


Um puto, o Pedro, que tem 6 anos. Sempre que o encontro habituei-me a trocar galhardetes com o fedelho.
- então puto, como vai isso? 
- vai bem. Tu e a tua amiga são namorados? 
- olha olha, o que sabes tu sobre essas coisas? 
- sei muito. 
- ahh, então diz-me lá o que é gostar de alguém. 
- É fácil, é querer dar beijinhos pela manhã quando a pessoa cheira mal da boca

Daqui E

To do

Gosto mesmo quando as coisas correm à maneira. Claro que metade das vezes isto acontece a utilizar o plano B, C ou D, mas o certo é que vão encaminhando.

Neste momento o plano compras de Natal está em curso: o que tinha que ser encomendado está feito e prestes a chegar, o que falta está pensado e apenas precisa de tempo e disposição para ser finalizado.

O plano X (com riscos que ela venha aqui não pode ser comentado) está a encaminhar, e parece que se concretiza a dia e hora esperado.

Ainda há o programa deste fim-de-semana para tratar e a passagem de ano para organizar maaas nada de desânimos porque até ao dia vai estar mais do que pronto :)


Sim, estamos nesta fase que está tudo muito a meio caminho, mas vendo pelo lado positivo, não tarda o monte inverte para o lado done num abrir e fechar de olhos...Hope so :)

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

...

Android 10 Sara 0

estou capaz de atirar o telemóvel pela janela e mandar a TMN dar três voltas ao baralho!

Fazem falta...









Dias assim :)
No primeiro fim-de-semana tive visitas em Monsaraz, que coincidiu com a inauguração do presépio na vila, e valeu tanto a pena. 
Obrigada*

Ainda nas leituras...

Que A Sombra do Vento é o meu livro preferido até à data, não há dúvida nenhuma; que Carlos Ruiz Záfon juntamente com João Tordo são os escritores preferidos até à data, também não há dúvida nenhuma.

Mas este Prisioneiro do Céu tira qualquer um do sério... 400 páginas em dois dias e nem dei conta disso. É  simplesmente genial! Não tira o mérito ao primeiro, primeiro é primeiro e A Sombra do Vento é do melhor até agora. O segundo livro do autor já não gostei tanto, é Barcelona descrita como só ele sabe, é a escrita dele, mas não tem tanto encanto como o primeiro e agora o terceiro.
Fiquei vidrada durante dois dias e só tinha vontade de voltar a ler os outros dois livros anteriores. Apesar de serem as mesmas personagens, os livros são independentes uns dos outros e podem ser lidos na sequência que o leitor quiser.

Barcelona aos olhos deste senhor é ainda mais encantadora.


domingo, 9 de dezembro de 2012

Operação Natal

A parte positiva é que na teoria já encontrei algo que quero oferecer e a quem, ligando o engraçado às necessidades da pessoa.
A parte negativa é encontrar aquilo que pensei.
Não está mesmo nada mau...


Das leituras...

Aqui há tempos estava a ler um livro que pelo título o meu comentário foi: "é mais do mesmo...", o livro chamava-se A última testemunha de Auschwitz, não foi 100% mais do mesmo, foi um bocado mas não por completo. É claro que é sempre chocante, estamos a falar de relatos de acontecimentos reais, que nos deixa a pensar como é possível algo deste género ter acontecido...e nem foi assim há tanto tempo.

Quando o acabei foi pela altura do meu jantar de despedida em Sines, e estava de conversa com uma amiga do trabalho que me aconselhou outro livro também acerca do campo de Auschwitz mas de outra perspectiva, continua a ser visto de dentro, por um judeu Italiano, mas tem outra maneira de ver o campo, fala mesmo das leis (ou falta delas) dentro do campo, regulamentos e hierarquias, o modo de funcionar, como sobreviver. Não é um relato igual a tantos outros já publicados é mais um relato sobre as estratégias de sobrevivência, com referência a acontecimentos claro, mas a explicar como funcionava lá dentro.

 "A memória é um instrumento curioso: enquanto estive no campo, dançaram-me na cabeça dois versos escritos por um amigo meu há muito tempo:
...até que um dia 
já não terá sentido o amanhã. 
Aqui é assim. Sabem como se diz "nunca" na gíria do campo? "Morgen Fruh", amanhã de manhã."


Daqui, recomenda-se: Se Isto É Um Homem de Primo Levi

sábado, 8 de dezembro de 2012

Daqui recomenda-se...


Ultimamente os filmes que ando a ver rondam isto...
É antigo, é verdade, mas é excelente! Muito bom!
Fora ali a parte que um corta o calcanhar de aquiles ao gajo, nunca mais olhei para os meus calcanhares da mesma maneira.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

:)

New day!

Uma ajudinha...

Ainda antes de me ir deitar, venho aqui deixar uma página que merece uns minutos da nossa atenção, e da nossa ajuda.
A Cagoitas (vai ser sempre, sim? :)) vai fazer voluntariado para o Quénia, por isso iniciou um projecto: http://www.kenyaexperience.net/ para se dar a conhecer, a ela e seus objectivos.

Aquilo que peço é o que ela também me pediu:

"Dentro de menos de 2 meses vou engrenar numa aventura única. Vou viajar até ao Quénia onde vou fazer trabalho de voluntariado para ensinar crianças numa escola em Nairobi durante um mês.
Este tem sido um sonho meu durante algum tempo: ir e ajudar os que mais precisam. Agora estou pronta! Portanto, quero tirar o maior proveito desta experiência!
É aqui que TU podes ajudar.

O meu website é colectânea de informação pessoal, fotografias, vídeos e mais documentação informativa (vai ver o site para saberes mesmo do que se trata), que te transportará para a realidade quéniana.
Com um simples click podes dar-me dinheiro, em troca de algumas coisas ou não, para que no final das contas, a marca que quero deixar na vida destas crianças perdure durante muito tempo. Espero que consiga angariar dinheiro suficiente para fornecer a escolinha com material (canetas, cadernos, etc) para este ano lectivo."

Toda a ajuda é bem-vida a começar pela divulgação :)

Boa sorte miúda!*


Por hoje é isto...


Farta do computador que não responde à velocidade que eu quero, ou que simplesmente não responde.
Fartinha de dor de cabeça e mau humor...

Obrigada Ju, deste a deixa perfeita para bater retirada.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

-.-'

Ou isto dá uma reviravolta muito grande ou eu dou em maluca nos próximos tempos... =X

Under construction!


It's a new day, it's a new life! (...para este blog)
Ando cansada de cores fortes, já aqui em casa tem sido a mesma luta...por isso aderi à neutralidade...
Não sei se definitiva ou temporária, mas espero com esta mudança conseguir recuperar a vontade que tinha de aqui vir...
:)

Ultimamente tem sido assim...

       


A semana é passada em casa entre pânico, computador, papelada e treinos, e o fim-de-semana é de passeio. 
Nem sempre, mas quando dá já alivia bastante o stress :)

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Recomenda-se


deve ter sido a segunda vez em toda a minha vida que fui ao cinema sem ter conhecimento do filme que ia ver, a restante oferta ou não era nada chamativa ou já tinha visto, portanto este Argo pareceu-me bem...
Sai de lá incapaz de falar...é só dos melhores filmes que já vi até à data! De ficar coladinho à cadeira mesmo.

sexta-feira, 16 de novembro de 2012

sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Simples!

Praga
A acta inicia-se com a inspiração:

Não sei se são as sementes
Que deixamos na terra
Plantadas ontem
Fizeram um caminho
Que começamos hoje a trilhar
Em direcção ao infinito
Já não me preocupa mais o tempo

Hoje encontrei isto e senti saudades, umas saudades enormes, daquelas que apertam o peito. Relembrar os dias passados em viagem, ver as fotografias, ver o bilhete, todas as pequenas recordações trazidas desta aventura...e ver que neste momento estamos tão longe umas das outras, e os nossos planos são tão diferentes que se torna incerta a data do novo re-encontro. Não será deixado passar em branco, claro, promete-se festa, abraços e muita alegria, mesmo que por pequenos instantes e depois voltemos à distância com que lidamos diariamente. Deixou de ser 24h por dia, mas o código mantém-se. Hoje reavivei a memória quando encontrei a acta assinada no dia 02.07.2007.

Porque temos um código a seguir :)

Código do instante decisivo e da amizade sincera

sábado, 27 de outubro de 2012

Le-ge-da-ry!!!


Foi simplesmente demais!
Se existem palavras capazes de descrever três horas força, porque não as encontro.
Épico...
e realmente a frase do Salgueiro foi mesmo o melhor resumo: "Já posso morrer feliz!" :))))


Deus existe mesmo :)

terça-feira, 23 de outubro de 2012

"Tudo vale a pena...

...quando a alma não é pequena."

Fernando Pessoa


Foi assim sem pensarmos muito...
nem precisamos.
Há coisas que não se precisam dizer.
Pelos 25 dela fui a Elvas. A pergunta "mas o que se está aqui a passar?" Marcou a noite e deu início a um jantar daqueles confortáveis e calorosos.
Já não a via desde Julho e fazia falta, é o mal de nos separar-nos de alguém que estava quase 24h connosco todos os dias da semana...
Valeu a companhia, a viagem, o jantar e a noite. Tudo.
Que venham mais, muitos mais, com muita alegria sempre.
Agora aqui... Muitos Parabéns!
Gosti miúda! *


Sonho comanda a Vida!

Tem dias que tenho noção que sou mesmo um ser inútil para a sociedade...pior é quando essa inutilidade se arrasta...Ultimamente as minhas acções úteis são mesmo dar treinos. Nada mais que vestir um fato treino, calçar patins e estar 4 horas passadas entre crianças e adolescentes. E isto só entra na categoria útil porque para todos os casos os estou a ajudar com algo.
Odeio esta sensação. Tenho a certeza que nunca fui assim e sempre fui ocupada por não conseguir ser assim. Pois, cá está, tanto não consigo que é um mar de desespero, é mau humor, é hoje não faço mas amanhã faço menos ainda, e não pode ser... se quero mesmo alguma coisa, fazer alguma coisa, ficar paradinha não é opção...
Até o uso da internet diminuiu, nem estupidificar em frente ao computador tenho vontade... está mesmo muito mau está.
Mas agora, em 5 minutos houve um click nesta cabeça e comecei pelas coisas mais simples, entre actualizar este espaço, precisava de ler de uma ponta à outra o blog do meu afilhado que se mudou para a Alemanha por 2 anos. Disse-lhe que iria ler o blog mas nunca mais o fiz e passou uma semana, hoje foi o dia. Li, li tudo, acima de tudo fico contente por estar a realizar um sonho, um desafio que ele estipulou. Toda a Sorte do Mundo Mike :) 

No meio dos posts dele encontrei um poema, que já conhecia mas admito nunca ter tido ideia do autor, e achei que hoje com esta retoma de tudo o que tenho deixado a meio se aplica perfeitamente:

"Eles não sabem, nem sonham
que o sonho comanda a vida,
que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança."

António Gedeão


quinta-feira, 11 de outubro de 2012

:)



de volta às origens :))

Um sonho. 
E agora está aqui, bem perto. Estou de volta! Só me apetece gritar "Obrigada!"...mas antes desse obrigada tem que vir muito trabalho, muita dedicação e demonstração dos objectivos pelos quais aceitei o desafio.
É um abraçar este projecto desde o início, é acreditar, é participar, é não desistir...
Aqui...estou em casa :)



segunda-feira, 1 de outubro de 2012

devia ser tudo muito mais fácil...

fazer as malas, carregar carro, viagem, descarregar o carro, arrumar as coisas onde pertencem, dar uma reviravolta no quarto...sim, esta é a parte fácil.
A parte difícil é ter 15 crianças a desfrutarem o seu dia, a sua prova, estarem radiantes com as suas prestações e resultados...e mesmo assim serem capazes de dizer "por favor, não vás.", mais do que qualquer coisa estas palavras custam, a ideia de deixar de os ver 5 dias por semana, passar fins-de-semana inteiros com eles, chatear-me com eles e rir-me, eles contarem comigo para o seu dia mesmo fora do pavilhão...
Ser a Sara e não a professora, ser a amiga deles. Isso sim, custa.
Vai ser um até já :)

obrigada*


sexta-feira, 28 de setembro de 2012

Obrigada a todos!

O final da etapa Alentejo Litoral aproxima-se...e já se contam com as despedidas feitas, a do gabinete de trabalho, a da divisão de trabalho, a dos amigos feitos nesta cidade, até a patinagem já foi notificada da minha despedida, mas amanhã ainda é dia de prova.
Como tudo existe um dia que tem que acabar, eu gostava de ter prolongado mais esta estadia, gostei de estar por cá, tive uma vida diferente do que estava habituada, trabalhei e vivi, fiz amigos que vão ficar comigo de certeza. Tive o prazer de trabalhar na zona mais bonita de Portugal, adorei viver aqui, a calma do Inverno nas praias, a forte afluência às praias alentejanas no Verão...o conhecer, descobrir, inventar...

A todos os que fizeram parte de mais uma fase, a todos que mesmo não estando cá apoiaram em tudo quanto podiam, esses que seguem os meus passos onde quer que vá, presentemente ou com um simples telefonema, mensagem, um enorme Obrigada! Teria sido complicado, mas com pessoas espectaculares do meu lado este caminho tornou-se tão mais fácil de se fazer.

Hoje termino por aqui, arrumo a secretária, termino as sessões nos computadores, coloco em caixas a minha vida...novamente, fecho a porta e entrego a chave. Segunda-feira começa nova etapa, a recta final, se o medo anda de mão dada comigo, hoje sei que alguém me agarrou a outra mão e diz que não quer sair nem deixar-me ir sozinha. Eu agradeço. Ali e a todos os que se mantêm comigo, as visitas vão continuar a existir,em Sines, em Évora, em Setúbal, onde tiver que ser.

Hoje, é um adeus bem devagarinho...como se fosse até já, como se fosse até sempre.
Obrigada.

o postal de recuerdo, por baixo de cada post it uma mensagem. Obrigada :)

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Eheh xD

Homens que limpam a casa são mais felizes
É a conclusão de um estudo sueco, segundo o qual os homens que não dividem os afazeres domésticos com a mulher sofrem mais problemas psicológicos e até palpitações cardíaca
Pode ser a mudança em muitos lares e a conclusão de que as mulheres estavam à espera. Um estudo realizado pela Universidade Umeå, na Suécia, revela que os homens que limpam a casa são mais felizes. 
Os investigadores acompanharam a vida de 723 pessoas ao longo de 26 anos e os homens que não dividiam os afazeres domésticos sofriam mais problemas psicológicos – como ansiedade, nervosismo e problemas de concentração – e sofriam com palpitações cardíacas (que é a sensação de sentir o coração parar por um segundo). 
Já os que ajudavam em casa, eram mais tranquilos e felizes. 
No caso das mulheres, o estudo revela que o excesso de trabalho doméstico pode deixá-las mais vulneráveis às doenças. 

Bem, agora que já aqui está o estudo é aproveitar a deixa :) 

Doesn't matter..


segunda-feira, 24 de setembro de 2012

terça-feira, 18 de setembro de 2012

Este blog pede do fundo do coração...

Este blog pede do mais fundo do coração a ajuda de todos para a situação que partilho aqui.
Metendo de lado aquilo em que cada um acredita, aquilo que cada um defende ou idolatra, este caso não é soube touradas e aficionados. Este caso é sobre um médico que devia deixar de exercer a sua profissão, dar lugar a alguém que saiba realmente fazê-lo.
Sou contra incompetência e mais ainda incompetência nos altos quadros da nossa sociedade, como é o caso da medicina. É um exagero aquilo que um médico recebe, sim, acho exagerado mesmo sabendo que salvam vidas, acho exagerado porque existem profissões que também envolvem outras vidas e são perigosas, bombeiros por exemplo que recebem nem metade do ordenado de um médico, isto só como exemplo.

Podia ser só uma partilha e ficar por aqui, mas trata-se de um amigo muito querido e por quem tenho muito carinho, e por isso ter conhecimento destas coisas assim ainda custe mais.
No Sábado o Armando fez uma fractura exposta do terço inferior da perna direita durante uma corrida, deu entrada no Hospital do Espírito Santo de Évora, transportado pelos bombeiros. Quando chegou o médico ortopedista de serviço não quis operar dizendo para ser chamado um outro médico que esse sim era aficionado e decidiu que a fractura exposta a um sábado não era grave, agendando a operação para quarta-feira.
Ontem, acabou por ser chamado um ortopedista devido ao aumento das dores, o ortopedista chamou de imediato cirurgião e solicitou operação com urgência, no final foi dito aos familiares que caso se tivesse esperado por quarta-feira, a perna provavelmente teria que ser amputada...
Calha mal no estômago de qualquer um receber esta notícia, conhecido ou desconhecido...
Ao médico de serviço no sábado desejo-lhe as melhoras para a sua incompetência, falta de civismo e profissionalismo. Desejo outro monte de coisas que não poderei escrever aqui porque a minha boa educação não me permite, mas permite-me pensá-las. 
À família do Galinhas, e à Filipa deixo aqui todo o meu apoio e amizade, muita força.
A quem aqui passa deixo um pedido para assinarem esta petição http://www.causes.com/actions/1685159 contra a negligência deste médico, sejam ou não a favor das touradas, não é isso que está em causa...pode este médico não gostar de alguma outra coisa e recusar-se novamente a estragar o seu fim-de-semana.
Está em causa que os balúrdios que este atrasado mental recebe também sai dos nossos bolsos, e recebe para se recusar a atender quem não faz parte das mesmas ideologias que ele. 

Fica este pedido, a quem possa dar o seu nome por esta causa.



:)


Repete. Guarda . E sorri. :)

:)

segunda-feira, 17 de setembro de 2012

Vai ser a maratona...


:)

-.-

O meu futuro em 5 linhas. Drama.

Boas ideias!

"21 Balançoires é uma instalação que o colectivo de design canadiano Daily Tous Les Jours instalou em Montréal. Ladeada por novo centro de música e um novo centro de ciência, a instalação faz uma ligação entre os dois edifícios. Gravaram-se melodias de xilofones, pianos e outros instrumentos, que são "tocados" quando as pessoas andam nos baloiços. A ideia dos autores é aproximar os dois edifícios e as duas áreas e, ao mesmo tempo, demonstar que juntos somos melhores: uma pessoa pode tocar uma nota mas mais pessoas constroem melodias mais complexas.
Fotografias de Olivier Blouin."



E um vídeo: http://vimeo.com/40980676
:)

sexta-feira, 14 de setembro de 2012

das coisas simples...

ontem quando abri o email secundário tinha isto:


OLAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA…..

J

Era mesmo só isto e deixei-me rir sozinha. :)
Porque tem sido impecável. Obrigada.

quinta-feira, 13 de setembro de 2012

Pela Ângela Crespo, a circular no Facebook:

"Vão-se foder.
Na adolescência usamos vernáculo porque é “fixe”. Depois deixamo-nos disso.
Aos 32 sinto-me novamente no direito de usar vernáculo, quando realmente me apetece e neste momento apetece-me dizer: Vão-se foder!
Trabalho há 11 anos. Sempre por conta de outrém. Comecei numa micro empresa portuguesa e mudei-me para um gigante multinacional.
Acreditei, desde sempre, que fruto do meu trabalho, esforço, dedicação e também, quando necessário, resistência à frustração alcançaria os meus objectivos. E, pasme-se, foi verdade. Aos 32 anos trabalho na minha área de formação, feliz com o que faço e com um ordenado superior à média do que será o das pessoas da minha idade. 
Por isso explico já, o que vou escrever tem pouco (mas tem alguma coisa) a ver comigo. Vivo bem, não sou rica. Os meus subsídios de férias e Natal servem exactamente para isso: para ir de férias e para comprar prendas de Natal. Janto fora, passo fins-de-semana com amigos, dou-me a pequenos luxos aqui e ali. Mas faço as minhas contas, controlo o meu orçamento, não faço tudo o que quero e sempre fui educada a poupar.
Vivo, com a satisfação de poder aproveitar o lado bom da vida fruto do meu trabalho e de um ordenado que batalhei para ter.
Sou uma pessoa de muitas convicções, às vezes até caio nalgumas antagónicas que nem eu sei resolver muito bem. Convivo com simpatia por IDEIAS que vão da esquerda à direita. Posso “bater palmas” ao do CDS, como posso estar no dia seguinte a fazer uma vénia a comunistas num tema diferente, mas como sou pouco dado a extremismos sempre fui votando ao centro. Mas de IDEIAS senhores, estamos todos fartos. O que nós queríamos mesmo era ACÇÕES, e sobre as acções que tenho visto só tenho uma coisa a dizer: vão-se foder. Todos. De uma ponta à outra.
Desde que este pequeno, mas maravilho país se descobriu de corda na garganta com dívidas para a vida nunca me insurgi. Ouvi, informei-me aqui e ali. Percebi. Nunca fui a uma manifestação. Levaram-me metade do subsídio de Natal e eu não me queixei. Perante amigos e família mais indignados fiz o papel de corno conformado: “tem que ser”, “todos temos que ajudar”, “vamos levar este país para a frente”. Cheguei a considerar que certas greves eram uma verdadeira afronta a um país que precisava era de suor e esforço. Sim, eu era assim antes de 6ª feira. Agora, hoje, só tenho uma coisa para vos dizer: Vão-se foder.
Matam-nos a esperança. 
Onde é que estão os cortes na despesa? Porque é que o 1º Ministro nunca perdeu 30 minutos da sua vida, antes de um jogo de futebol, para nos vir explicar como é que anda a cortar nas gorduras do estado? O que é que vai fazer sobre funcionários de certas empresas que recebem subsídios diários por aparecerem no trabalho (vulgo subsídios de assiduidade)?… É permitido rir neste parte. Em quanto é que andou a cortar nos subsídios para fundações de carácter mais do que duvidoso, especialmente com a crise que atravessa o país? Quando é que páram de mamar grandes empresas à conta de PPP’s que até ao mais distraído do cidadão não passam despercebidas? Quando é que acaba com regalias insultosas para uma cambada de deputados, eleitos pelo povo crédulo, que vão sentar os seus reais rabos (quando lá aparecem) para vomitar demagogias em que já ninguém acredita?
Perdoem-me as chantagem emocional senhores ministros, assessores, secretários e demais personagem eleitos ou boys desta vida, mas os pneus dos vossos BMW’s davam para alimentar as crianças do nosso país (que ainda não é em África) que chegam hoje em dia à escola sem um pedaço de pão de bucho. Por isso, se o tempo é de crise, comecem a andar de opel corsa, porque eu que trabalho hé 11 anos e acho que crédito é coisa de ricos, ainda não passei dessa fasquia.
E para terminar, um “par” de considerações sobre o vosso anúncio de 6ª feira.
Estou na dúvida se o fizeram por real lata ou por um desconhecimento profundo do país que governam. 
Aumenta-me em mais de 60% a minha contribuição para a segurança social, não é? No meu caso isso equivale a subsídio e meio e não “a um subsído”. Esse dinheiro vai para onde que ninguém me explicou? Para a puta de uma reforma que eu nunca vou receber? Ou para pagar o salário dos administradores da CGD?
Baixam a TSU das empresas. Clap, clap, clap… Uma vénia! 
Vocês, que sentam o já acima mencionado real rabo nesses gabinetes, sabem o que se passa no neste país? Mas acham que as empresas estão a crescer e desesperadas por dinheiro para criar postos de trabalho? A sério? Vão-se foder.
As pequenas empresas vão poder respirar com essa medida. E não despedir mais um ou dois.
As grandes, as dos milhões? Essas vão agarrar no relatório e contas pôr lá um proveito inesperado e distribuir mais dividendos aos accionistas. Ou no vosso mundo as empresas privadas são a Santa Casa da Misericórdia e vão já já a correr criar postos de trabalho só porque o Estado considera a actual taxa de desemprego um flagelo? Que o é. 
A sério… Em que país vivem? Vão-se foder.
Mas querem o benefício da dúvida? Eu dou-vos:
1º Provem-me que os meus 7% vão para a minha reforma. Se quiserem até o guardo eu no meu PPR.
2º Criem quotas para novos postos de trabalho que as empresas vão criar com esta medida. E olhem, até vos dou esta ideia de graça: as empresas que não cumprirem tem que devolver os mais de 5% que vai poupar. Vai ser uma belo negócio para o Estado… Digo-vos eu que estou no mundo real de onde vocês parecem, infelizmente, tão longe.
Termino dizendo que me sinto pela primeira vez profundamente triste. Por isso vos digo que até a mim, resistente, realista, lutadora, compreensiva… Até a mim me mataram a esperança.
Talvez me vá embora. Talvez pondere com imensa pena e uma enorme dor no coração deixar para trás o país onde tanto gosto de viver, o trabalho que tanto gosto de fazer, a família que amo, os amigos que me acompanham, onde pensava brevemente ter filhos, mas olhem… Contas feitas, aqui neste t2 onde vivemos, levaram-nos o dinheiro de um infantário. 
Talvez vá. E levo comigo os meus impostos e uma pena imensa por quem tem que cá ficar. 
Por isso, do alto dos meus 32 anos digo: Vão-se foder."
Ângela Crespo

É desta...


Pergunta: o que é isto?
Resposta: São as luzinhas que deviam estar quietas do meu computador...

Humm...hoje aqui o menino decidiu fazer das suas e tem a luz da bateria a piscar, fora a outra luzinha mas isso é porque ele pensa muito, ah e tal pode estar a carregar, mas não está...está a piscar há três horas e meia e não usa a bateria há uns dias...mas pisca. Basicamente está armado em qualquer coisa psicadélica e decide curtir um som e piscar luzes...olha que bem.
Parece ele que vai explodir, pi pi pi pi BUMMMMMMM!

Ai dele que se atreva!

...



quarta-feira, 12 de setembro de 2012

:)


humm...

Querido Correio da Manhã...

Já não é a primeira vez que aqui demonstro a minha aversão ao Correio da Manhã. Podem tentar estar sempre em cima dos acontecimentos e ter sempre notícias novas, mas metade delas nem as considero notícias e a outra metade não considero serem verdadeiras, e desde já peço desculpa a algum fã desta (terrível) fonte de informação.

Segunda-feira foi publicada no Correio da Manhã, pelo jornalista Alexandre M. Silva (que tinha gosto em dar-lhe duas palavrinhas) esta notícia: http://www.cmjornal.xl.pt/detalhe/noticias/nacional/sociedade/touro-colhe-jovem-antes-de-morrer-na-praca-de-monsaraz-com-video?nPagina=1#comentarios

até aqui tudo impecável e tudo a fazer o trabalho de cada um, como jornal e jornalista o trabalho é informar as pessoas, sem dar o seu toque pessoal (e nesse ponto os meus parabéns porque conseguiu manter o seu ponto pessoal fora da notícia)... agora entenda-se que com um trabalho desses de informar as pessoas exige algum conhecimento, pesquisa e cuidado na apresentação das coisas, caso contrário terá pessoas que sabem pouco mais do que o senhor a cair-lhe em cima e a chamar-lhe nomes, como é o meu caso.

"Touro colhe jovem antes de morrer na praça de Monsaraz"...dramático no mínimo, mas começa logo mal...os senhores estavam lá certo? Eu vi o carro do jornal. Vai na volta eram os senhores que estavam entretidos no bar, demasiado entretidos para repararem que estavam lá a um Sábado e não a um Domingo como vem na notícia, e para repararem também que o touro que colheu o "jovem" de 40 e poucos anos (não se informaram dessa parte?!) entrou nos curros e ainda vieram mais dois depois desse. Resumindo como faço às minhas crianças de 6 anos: o touro que fez a colhida não morreu a seguir :) txaraaaaaaaaaaan!

Deviam ainda informar-se do "jovem" colhido, porque ele foi assistido no local é verdade, mas transportado para o hospital distrital com um rasgão na perna...também não viram o sangue a escorrer não é? Pois...a minha sorte ainda é não gostar de cerveja, vai dando para ver um bocadinho mais que vocês.

Soluções para o vosso lapso do dia da semana, consultem o cartaz, espalhado pela vila e pela internet também, é boa solução visto que o vosso jornalismo é feito à base de cadeira e secretária, e reparem onde diz tourada de morte, é Sábado eheh palminhas! (isto se não for demasiado mau terem lá estado e não saberem que dia era...)

Tem vezes que tento, tento muito começar a simpatizar com vocês...mas saem-se com esta como é possível mudar de ideias? Não dá... Imensas desculpas, pode ser que numa próxima.

...



terça-feira, 11 de setembro de 2012

Das coisas boas...

Entre as sopas e descanso voltei à carga aos filmes...
Se for a ver bem as coisas, ainda não voltei, mas tenciono voltar. Já comecei a juntar alguns, e até já tentei ver um por três vezes, não é que o filme seja mau, mas eu sou tão fácil de desencaminhar que acabo por ficar horas de conversa sem querer ir para casa ver filmes, e ultimamente voltei ainda mais a carga nas leituras.
Não chego para tudo, eu tento mas ainda não descobri a fórmula.

Até agora tenho a lista mais ou menos composta e nos primeiros lugares por ver estão:


  • Dark Shadows (finalmenteeeee)
  • Savages, acabadinho de sair no cinema
  • Moneyball
  • Puncture (recomendado e talvez até mesmo o primeiro a ver)
Aceitam-se mais recomendações, à excepção de filmes de terror, esses podem ficar com eles pff. :)

Fim de festa

Assim que levantei a mão para dizer adeus senti que tinha terminado mais um fim-de-semana.
Eles e elas no carro, a dizerem adeus e eu a subir as escadas. Não estava tanto calor como nos outros dias, estava um vento agradável. Tínhamos acordado tarde e foi o tempo de arrumarem as malas. Eu ficava.
Naquela subida tive noção que o cansaço estava ali mesmo ao lado.
Ia-me deitar mais um bocado, era fim da tarde e não haveria mal nenhum. Aproveitar o silêncio da casa, da rua, e da vila que ao Domingo de festa tem um silêncio religioso da procissão, que não vou desde que passei a ter poder de decisão.
Depois do descanso senti a falta da casa cheia, a azáfama entre banhos e quem faz o jantar, quem lava a loiça, quantos somos para jantar, onde está a roupa, os sapatos, janelas abertas para a casa apanhar ar, as cadeiras na rua para se aproveitar o fresco. A vida devagar do Alentejo, os dias de descanso na vila.

Fica o carinho de mais um fim-de-semana de festa, com a certeza que para o ano iremos voltar.



quarta-feira, 5 de setembro de 2012

:)


So simple.

Modo repeat...

Já conhecia, até já vi a música ser patinada por uma grande amiga.
Mas agora na busca de músicas para a minha criançada surgiu-me a banda sonora, e ando completamente vidrada.


Vidrada é um termo amigável para a quantidade de vezes que ela passa aqui :)

terça-feira, 4 de setembro de 2012

Ainda nas touradas...

fica uma pequena parte de "Os Maias" de Eças de Queiroz.
“O marquês arrastara uma cadeira para o pé de Afonso, para lhe fazer a confidência dos seus achaques; mas como Dâmaso se metia entre eles, falando ainda da Mis t, decidindo que a Mist era chic, querendo apostar cinco libras pela Mist contra o campo - o marquês terminou por se voltar, enfastiado, dizendo que o Sr. Dâmasosinho se estava a dar ares patuscos... Apostar pela Mist! Todo o patriota devia apostar pelos cavalos do visconde de
Darque, que era o único criador português!...
- Pois não é verdade, Sr. Afonso da Maia?
O velho sorriu, amaciando o seu gato.
- O verdadeiro patriotismo talvez, disse ele, seria, em lugar de corridas, fazer uma boa tourada.
Dâmaso levou as mãos à cabeça. Uma tourada! Então o Sr. Afonso da Maia preferia touros a corridas de cavalos
O Sr. Afonso da Maia, um inglês!...
- Um simples beirão, Sr. Salcede, um simples beirão, e que faz gosto nisso; se habitei a Inglaterra é que o meu rei, que era então, me pôs fora do meu país... Pois é verdade, tenho esse fraco português, prefiro touros. Cada raça possue o seu sport próprio, e o nosso é o touro: o touro com muito sol, ar de dia santo, água fresca, e foguetes... Mas sabe o Sr. Salcede qual é a vantagem da tourada? É ser uma grande escola de força, de coragem e de destreza... Em Portugal não há instituição que tenha uma importância igual à tourada de curiosos. E acredite uma coisa: é que se nesta triste geração moderna ainda há em Lisboa uns rapazes com certo músculo, a espinha direita, e capazes de dar um bom soco, deve-se isso ao touro e à tourada de curiosos...
O marquês entusiasmado bateu as palmas. Aquilo é que era falar! Aquilo é que era dar a filosofia do touro! Está claro que a tourada era uma grande educação física! E havia imbecis que falavam em acabar com os touros! Oh, estúpidos, acabais então com a coragem portuguesa!...
- Nós não temos os jogos de destreza das outras nações, exclamava ele, bracejando pela sala e esquecido dos seus males. Não temos o cricket, nem o footbal, nem o runing, como os ingleses; não temos a ginástica como ela se faz em França; não temos o serviço militar obrigatório que é o que torna o alemão sólido... Não temos nada capaz de dar a um rapaz um bocado de fibra. Temos só a tourada... Tirem a tourada, e não ficam senão badamecos derreados da espinha, a melarem-se pelo Chiado! Pois você não acha, Craft?
Craft, do canto do sofá, onde Carlos se fora sentar e lhe falava baixo, respondeu, convencido:
- O quê, o touro? Está claro! O touro devia ser neste país como o ensino é lá fora: gratuito e obrigatório.
Dâmaso no entanto jurava a Afonso compenetradamente que gostava também muito de touros. Ah, lá nessas coisas de patriotismo, ninguém lhe levava a palma... Mas as corridas tinham outro chic! Aqueles Bois de Boulogne, num dia de Grand-Prix, hein!... Era de embatucar!”
(in “Os Maias” de Eça de Queiroz - 1888)

Demais!

Há umas semanas vi a entrevista de Margarida Rebelo Pinto no programa Lado B com Bruno Nogueira, em que a senhora falava da sua inspiração para a crónica "as gordinhas e as outras" publicada em 2010 no jornal Sol. É que coitadinha!


Hoje, encontrei um texto muito bom do Tiago Mesquita no site do Expresso. Se já tinha ideia que a senhora escritora não é de certeza, hoje comprova-se. Se o texto está à letra, o final está simplesmente genial.
Do blogue 100 reféns do Expresso, por Tiago Mesquita (também em http://expresso.sapo.pt/as-margaridas-rebelo-pinto-e-as-outras=f749520)

Uma crónica de Margarida Rebelo Pinto, apesar de publicada no jornal Sol em 2010 (!), correu as redes sociais nos últimos dias, gerando ondas de protesto e indignação. Fiquei curioso. Decidi autoflagelar-me e fui ler.
A crónica, intitulada "as gordinhas e as outras" visava um grupo especifico que Margarida - a magra -  fez questão de distinguir das demais mulheres. Basicamente a "gordinha" era retratada por Margarida como mais um "gajo" entre muitos, com a particularidade de ter uma vagina e maminhas e, de sorriso nos lábios, estar sempre disposta a partilhá-las com todos os "gajos" que consigam entornar mais do que sete vodkas (segundo Margarida, a partir do sétimo "qualquer bisonte se transforma numa mulher sexy, mesmo que seja uma peixeira com bigode do Mercado da Ribeira" - ficámos a saber como funciona o cérebro de algumas pessoas). As gordinhas "falam de sexo à mesa", "apanham grandes bebedeiras" e consomem "outro tipo de substâncias dadas a euforia" (só as gordinhas a consomem?), urinam de pé e "dizem palavrões", sempre sem serem recriminadas.
Se não achasse que a referida autora está para a escrita como o senhor Tobias, que me pintou os rodapés do corredor, está para as Belas Artes, provavelmente ter-me-ia chocado. Mas não. Depois temos "as outras", as que sabem escrever - graças a Deus. Os livros que vai expelindo aparecem nos escaparates normalmente agrafados a um brinde ou enfeitados. Um enorme laçarote, um espelho de rosto, um batom ou uma caixinha de pensos higiénicos. Em boa verdade o livro é o brinde, e não o contrário. Há que distrair os potenciais leitores, não deixá-los perceber de que há papel para além do higiénico, ou vão achar que mais valia terem gasto os quinze ou vinte euros no café da esquina a esfregar raspadinhas, ou pegado na "gordinha" e tirado a barriga de misérias num restaurante de rodízio.
Adiante. Do texto depreende-se que uma "gordinha" não pode ser uma miúda gira, é uma impossibilidade. Dois pontos para as magras. Isto porque Margarida diz ter amigas muito "bonitas" e "boazonas" e que ela mesmo, no fundinho, se considera uma tipa gira: "ser gira dá trabalho e requer alguma diplomacia" - afirma. De nada valerá dizer que há muitos "gajos" (um problema recorrente de quem só se dá com "gajos" é escapam-lhe os homens) que, mesmo com catorze vodkas em cima, não se atreveriam a cometer a proeza de tentar ter uma conversa minimamente inteligente com algumas pessoas ( e não estou a falar do excesso de álcool), quanto mais levá-las para onde quer que fosse.
O texto termina com mais uma pérola: "Como dizia a Wallis Simpson: "Never too rich, never too slim". E quanto às Gordinhas, o melhor é arranjarem um namorado. Ou uma dieta. Ou as duas coisas."
Eu acrescento, cara Margarida, como tão bem diria Walter Gropius:"o cérebro humano é como um chapéu de chuva: funciona melhor quando aberto." E dão muito jeito, uma coisa e a outra. Ter ambas é o ideal: um guarda-chuva e um cérebro.

segunda-feira, 3 de setembro de 2012

A minha alma continua parva...


Já aqui disse que sou a favor da festa brava, tourada e tudo o que vier por aí. Ninguém me pode atacar por isso assim como não ataco quem defende o contrário, e isto aqui nem se trata nada disso, mas há coisas que me fazem uma certa confusão.
Ora no vídeo diz uma senhora que não aparece na imagem "eu vim de propósito da Holanda para esta manifestação"...chego a arriscar que a crise é algo que não assiste a esta senhora, porque Espanha é ali mais perto, também tem muita tourada e se calhar ficava-lhe mais em conta...enfim.

Ao jornalista, só tenho a dizer que cada vez mais que deviam repensar bem o que dizem ou como perguntam. Há tempos publiquei aqui uma expressão usada pela TVI, muito mal usada diga-se, tenho um certo pânico às notícias na net, em sites de referência público, rtp, etc, que não há um dia que não apanhe erros, epa revejam antes de publicarem...erros dou eu que brinco a isto dos blogues de vez em quando. Neste vídeo o jornalista designa o sucedido como "atentado". Atentado, senhores?!?!?!
Então quer dizer se tiver bombas é fogo de artifício se tem cavalos é atentado...vá lá a correr contra uma parede, sff.


Hello!


sexta-feira, 31 de agosto de 2012

Ainda não consegui tirar isto da cabeça...

Há anos, provavelmente desde o meu primeiro ano de universidade, que teimo em querer fazer o areal Sines-Tróia a pé. Quando nos juntávamos para idas à praia, na altura sem carta calhava sempre Tróia que não precisávamos de carro, chegámos a andar de Tróia até SolTróia. Verdade, não é muito, mas se pensarmos que é areia, o solo não é a direito e calor, a coisa é capaz de duplicar o esforço.
Fiquei a saber mais tarde por uma professora que existe uma corrida realizada neste itinerário mas nunca consegui saber quando se realizava.
Hoje ao ler mais coisas aqui para o trabalho, documentos sobre a zona costeira Setúbal-Sines, li sobre a extensão de areal, os diferentes limites nas várias zonas, com dunas, sem dunas, as falésias...e voltou a crescer a vontade de realizar o dito plano.
Acho que vou agendar um fim-de-semana destes de Setembro para isso :) mesmo que fique apenas a meio caminho, vai ser diferente :)

imagem daqui:  http://momentoseolhares.blogs.sapo.pt/

Para grandes males, grandes remédios...

Não tinha ouvido falar nisto se não hoje, quando um amigo partilhou. Um sistema que defende uma cidade de furacões...não propriamente do furacão mas de algumas coisas que o fenómeno traz associadas, as cheias principalmente. Nova Orleães está bastante vulnerável a este género de acontecimentos, a sua posição não facilita. Este sistema, que foi recentemente usado contra o furacão Isaac, impede que as cheias avancem para o lago Borgne, evitando que inundem a cidade. 

Verdade seja dita que se não tivessem construído uma cidade abaixo do nível do mar hoje não necessitavam destes sistemas de defesa, mas o mal já está feito agora é evoluir e procurar soluções.